Monday Readings

Mais uma edição do Monday Readings: um copo de café + 30 minutos da manhã de segunda-feira + 5 links relacionados a design, tecnologia ou comportamento. Para começarem a semana inspirados :)

Monday, 26.08.13

#1

Notícias do bem
21 imagens que vão te fazer voltar a ter fé na humanidade” foi artigo mais lido de todos os tempos do BuzzFeed. Não tinha imagens de celebridades ou discursos inflamados polêmicos, era apenas uma série de fotos. A receita para atrair visitantes parece estar mudando, ao invés dos tradicionais textos de sarcasmo e desdém dos blogueiros, o que se tem visto é sites como BuzzFeed e Upworthy se dando bem com suas filosofias de abraçar a natureza viral de histórias otimistas. As redes sociais têm incentivado a prática de compartilhar histórias positivas, que podem ajudar a melhorar o ânimo dos outros. Essa descoberta parece ser a grande chave para o sucesso do BuzzFeed, que atrai 60 milhões de usuários únicos ao mês – contra 29 millhões do site do New York Times. O futuro das notícias online parece ser otimista.

#2

O futuro da publicidade: pague-por-encarada
Apelidado de “pay-per-gaze,” (pague-por-encarada em tradução livre), a publicidade no Google Glass deverá cobrar os anunciantes pelo número de vezes em que alguém efetivamente olhar o conteúdo do anúncio. O conceito está enterrado nas páginas do documento da patente para uma “técnica de monitoramento do olhar… implementado com um device de rastreamento acoplado na cabeça que se comunica com um servidor.” Em uma 2ª fase, esse conceito evoluiria para um pay-per-emotion, um pagamento por emoção para os anúncios que fizerem seus olhos dilatarem – particularmente com um anúncio de pizza de um restaurante, por exemplo. O futuro é uma ficção científica ;-)

#3

Check-ins do Foursquare podem indicar onde abrir uma loja
Pesquisadores da Universidade de Cambridge analisaram 35 milhões de check-ins de 925.000 usuários do Foursquare por 6 meses, concentrando-se nas informações de 3 grandes redes: McDonalds, Starbucks and Dunkin’ Donuts. O time classificou o quão bem sucedidas eram as lojas baseados no número de check-ins, e entendendo múltiplos de check-ins de um mesmo usuário como um padrão. Eles usaram esse dados para mensurar fatores como tráfego de pedestres, distância para visitar a área, etc., buscando então prever o sucesso da abertura de uma loja naquela localização. O estudo parece ter sido bem sucedido e complet. Se quiser mais detalhes, está disponível online para download.

#4

A ciência por trás do oversharing
O que nos obriga a dizer para o mundo, usando nossos dedos, o que hesitamos a dizer em um espaço privado com as pessoas que amamos? Para a cientista social e escritora Sherry Turkle estamos perdendo o saudável senso de compartimentalização. Já descobertas de alguns pesquisadores da Harvard indicam que o ato de compartilhar pensamentos e sentimentos pessoais ativam o sistema de recompensa do cérebro de uma maneira mais ampla do que apenas reportando as atitudes e opiniões de outros. Já uma reportagem do Wall Street Journal concluiu que essa necessidade de compartilhamento não é devido à proliferação dos reality shows ou das redes sociais, mas devido às tentativas subconscientes de controlar a ansiedade.

Porém, nenhum deles explicam diretamente como a Internet nos incentiva a expor informações que provavelmente não compartilharíamos fora dela. Já o estudo recente do professor Russell W. Belk, “Extended Self in a Digital World,” começa a explicar a questão ao argumentar que nosso relacionamento com as redes sociais estão gradualmente criando uma ideia mais complexa de quem somos como indivíduos:

“Quando olhamos para a tela, não estamos frente a frente com alguém que poderá nos responder imediatamente, então é mais fácil nos liberarmos – é como se fôssemos invisíveis”

#5

Religião digital
O aplicativo “Bíblia” teve mais de 100 milhões de downloads na App Store, colocando-o ao lado dos gigantes Facebook, Twitter e Instagram. Outras religiões têm aderido à tecnologia: iQuran, iTorah, o Livros dos Mormons, uma bússola islâmica e um app Treinamento para Meditação budista podem ser encontradas no mercado dos apps. A ideia principal é engajar uma nova geração cada vez mais distante da religião e mais próxima das telas.

E por falar em religião, a imagem da semana é o belo infográfico que mostra contradições encontradas nos textos da bíblia:

Agatha

Agatha

Planejamento na Havas WW, é publicitária e pós-graduada em Sócio-Psicologia. Viciada em informação, leitora compulsiva e viajante inveterada.
Agatha
Agatha